O REI DAVI E A REENCARNAÇÃO

       O REI DAVI E A REENCARNAÇÃO

           “Todavia, porquanto com este feito deste lugar sobremaneira a que os inimigos do Senhor blasfemem, também o filho que te nasceu certamente morrerá”.

 (2 Samuel 12:14)¹

         O rei Davi a fim de desposar Bate-Seba mulher de Urias, planejou um meio de provocar a morte deste colocando-o na frente de batalha contra os Amonitas, onde veio a perecer [2]. Davi a recolheu como esposa e ela lhe deu um filho.

         O profeta Natã, médium que exercia o mediunato naquele tempo, por inspiração divina, vai ao encontro do rei e o repreende severamente [3], levando-o a reconhecer a própria culpa e a arrepender-se (Salmo 51). Contudo, Apesar do remorso de Davi, inesperadamente, o profeta tambem prenuncia a morte da criança, como resgate pela culpa do pai.

         Analisando o episódio acima, verificamos a sua identificação com algumas passagens contida nos livros Êxodo e Números [4], onde se afirma que o pecado dos pais recebe a punição na pessoa dos filhos.

         No entanto, Como é possível conciliar esses versículos com as passagens que exortam justamente o contrário, preconizam a responsabilidade individual. Nos livros de Jeremias, Ezequiel e Deuteronômio podemos Ler as seguintes instruções: “os pais não serão mortos em lugar dos filhos, nem os filhos em lugar dos pais, cada um será executado pelo seu próprio crime.” [5]

          À primeira vista, parece difícil harmonizar ideias tão conflitantes, ainda mais quando se relaciona com ensinos que, para os Judeus provinham do próprio Deus.

         Todavia, é preciso lembrar que as ideias acerca da justiça divina não são a mesmas em todas as etapas da História do povo hebreu. Os atributos divinos manifestavam muitas vezes as imperfeições humanas, pois, os próprios hebreus, guerreiros que exterminavam povos na palestina, não poderiam adorar um Deus extremamente bondoso, Deus teria que ter a mesma índole guerreira, sendo o protetor exclusivo do povo escolhido.  Dessa forma, era muito natural para eles o principio da retribuição coletiva, isto é, a solidariedade no castigo entre membros de uma mesma família, tribo ou nação.

          Em vista disso, os Hebreus, embora cressem em um Deus único, eram ainda rudes, violentos e indisciplinados, iguais aos povos das nações idolatras que combatiam. O monoteísmo era o seu único diferencial. Contudo, a espiritualidade aos poucos trazia ideias novas através dos profetas, a fim de moldar a índole do povo, apresentando novos conhecimentos sobre a justiça divina. Assim, podemos observar nessa evolução de ideias que os livros: Deuteronômio, Ezequiel e Jeremias, vieram num período posterior aos livros de Êxodo e números; o Deuteronômio, por exemplo, somente seria descoberto já nos momentos finais do reinado em Judá (2Reis 22:8) e trazia algum avanço que seria mais bem explanado em Ezequiel e Jeremias que tambem foram  muito posteriores ao período Davídico.

          Durante a época de Davi imperava o medo de Deus como um ser ciumento, que se fazia respeitar pelo temor [6] e que manifestava a sua justiça pela retribuição coletiva.

          Entretanto, mesmo sendo erroneamente compreendida pelos homens, da época devido as suas limitações morais e intelectuais, a justiça infinita de Deus estava a todo o momento sendo aplicada. Funcionando em sua imparcialidade e misericórdia, segundo o princípio de responsabilidade individual, pela lei de ação e reação, dando a cada um segundo as suas obras. E somente a Lei da reencarnação pode explicar essas contradições em harmonia com essa justiça.

          Podemos encontrar na Codificação Espírita varias questões que elucidam a passagem em tela.

         A questão 199 de “O Livro dos Espíritos” traz o assunto das mortes de crianças em tenra idade:

          “Por que a vida, frequentemente, é interrompida na infância?

          R- A duração da vida de uma criança pode ser, para o Espírito que está nela encarnado, o complemento de uma existência interrompida antes do seu tempo marcado, e sua morte, no mais das vezes, é uma prova ou expiação para os pais.”

         Na questão 334 Allan Kardec ainda pergunta aos Espíritos superiores o seguinte:

         “A união da alma, com tal ou tal corpo, é predestinada ou é apenas no último momento que se faz a escolha?

          R- O Espírito é sempre designado antes, O Espírito escolhendo a prova que deve suportar, pede a encarnação. Ora, Deus que tudo sabe e tudo vê, sabe e vê antecipadamente que tal alma se unirá a tal corpo.” [7]

         É assim que, a criança como um Espírito reencarnado não foi na verdade punida pela falta de seus pais (como fruto de um escândalo de adultério e morte). Mas, complementava uma existência interrompida bruscamente numa encarnação anterior ou resgatava dívidas contraídas por ela própria em existências passadas. Ao mesmo tempo servia de instrumento da sabedoria divina para assegurar aos olhos dos homens da época o temor a um Deus violento. [8]

Jefferson Moura de Lemos

Referências:

[1] Bíblia Sagrada. João Ferreira de Almeida. Ed. 1995 São Paulo: Sociedade Bíblica do Brasil, 2005.

[2] 2Sam 11:4-5; 14-25

[3] 2Sam 12:1-12, 2:13

[4] Êxodo 20:5-6; 34:6-7 / Números 14:18

[5] Jeremias 31:29-30 / Ezequiel 18:4-20 / Deuteronômio 7:9,24:16

[6] Êxodo 19:16-25; 20:18-21, Levítico 26:1-46

[7] KARDEC, Allan. O Livro dos Espíritos. Tradução: Salvador Gentile, revisão de Elias Barbosa. Araras, SP, IDE, 82ª edição, 1994.

[8] Deuteronômio 32:39

Anúncios
Esse post foi publicado em Reencarnação na Bíblia II e marcado , , . Guardar link permanente.

3 respostas para O REI DAVI E A REENCARNAÇÃO

  1. Caro Jefferson, até entendo que a morte de um bebê, por exemplo, sirva de provação para os pais. Sem problemas. Entretanto, na prática, de que serviu essa rápida existência para o espírito que estava encarnado nesse natimorto ou para uma criança que nasce e horas depois falece? De que serviu, na prática, para o espírito essa rápida existência? Grato.

    • jeflemos disse:

      Wellington, cada caso é um caso, existem espíritos que, por seu livre arbítrio, recusam-se a renascer e no momento da concepção desistem e aí a criança nasce morta, pois não há mais um ente espiritual ligado ao corpo inerte. (Livro dos Espíritos questões 345 – 348). Outras vezes, crianças natimortas não tiveram desde o inicio nenhum ser espiritual ligado a elas, somente a matéria se desenvolveu como prova para os pais (Questão 356). E ainda existem aquelas que conseguiram nascer mais desencarnaram em tenra idade como foi ocaso do filho de Davi, cuja morte foi atribuída a retribuição da justiça divina.
      Não sabemos qual débito essa criança teria resgatado, mas, muitas vezes indivíduos que por algum motivo iriam desencarnar naturalmente em determinado momento, escolheram tirar a própria vida através do suicídio. Mais tarde, como forma de amenizar a sua consciência podem pedir para renascer num corpo que durará apenas o tempo suficiente que lhe faltava para o desenlace natural interrompido bruscamente na vida anterior. Deus, que tudo sabe de antemão já sabia que tal espírito iria ocupar tal corpo. A questão principal é que a justiça de Deus não pune o inocente como a passagem faz sugerir, mas naquele período o Criador era visto como tendo muito das imperfeições humanas, assim era natural para aqueles homens que Deus procedesse daquela forma.
      Um grande abraço!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s