O CEGO DE NASCENÇA

 O CEGO DE NASCENÇA

  

          “E, passando Jesus, viu um homem cego de nascença. – E os seus discípulos lhe perguntaram dizendo: Rabi, quem pecou, este ou seus pais, para que nascesse cego? Jesus respondeu: Nem ele pecou, nem seus pais; mas foi assim para que se manifestem nele as obras de Deus.” 

(João 9: 1-3)¹

 

 

          A questão exposta acima demonstra que os seguidores de Jesus aceitavam ou conheciam a preexistência da alma e a reencarnação. Ora, sendo o homem, cego de nascença, perguntando: “Rabi, quem pecou, este ou seus pais…” confirma a crença dos discípulos de que a enfermidade poderia ser o resultado de alguma falta cometida por aquele homem antes do nascimento, logo, em uma existência anterior.

          Se não houvesse esse conhecimento, a pergunta não teria nenhum sentido e o próprio Jesus os teria advertido. Contudo, o Mestre apenas esclareceu que aquele homem não sofria por pecados próprios nem tão pouco por pecados alheios e acrescenta: “Mas foi assim para que se manifestem nele as obras de Deus”. Por essas palavras Jesus explicava que aquele homem, cego de nascença, passava por uma provação necessária à sua evolução espiritual.

          Através daquela existência sofrida, sob o jugo de uma enfermidade que o acompanhava desde o berço, aquele homem pôde, no momento em que foi curado, auxiliar o Cristo a despertar entre os seus irmãos a fé no poder de Deus e tambem a reconhecerem em Jesus o Messias. Foram as obras de deus manifestas através dele.

         Sobre as provas e expiações Allan Kardec esclarece o seguinte:

         “Entretanto, não seria preciso crer que todo sofrimento suportado neste mundo seja, necessariamente, o indicio de uma falta determinada; são frequentemente simples provas escolhidas pelo espírito para acabar sua depuração e apressar seu adiantamento. Assim, a expiação sempre serve de prova, mas a prova não é sempre uma expiação; mas provas ou expiações, são sempre sinais de inferioridade relativa, porque o que é perfeito não tem mais necessidade de ser provado. Um espírito pode, pois, ter adquirido um certo grau de elevação, mas, querendo avançar ainda, solicita uma missão, uma tarefa a cumprir da qual será tanto mais recompensado, se sai vitorioso, quanto a luta tenha sido mais penosa.” [2]

          Sobre a maneira como a cura foi produzida [3], Kardec conclui:

          “Quanto ao meio empregado para a sua cura, evidentemente aquela espécie de lama feita de saliva e terra nenhuma virtude podia encerrar, a não ser pela ação do fluido curativo de que fora impregnada. É assim que as mais insignificantes substâncias, como a água, por exemplo, podem adquirir qualidades poderosas e efetivas, sob a ação do fluido espiritual ou magnético, ao qual elas servem de veículo, ou, se quiserem, de reservatório.” [4]

 

 

Jefferson Moura de Lemos

 

 

 Referências:

[1] Bíblia Sagrada. João Ferreira de Almeida. Ed. 1995 São Paulo: Sociedade Bíblica do Brasil, 2005.

[2] KARDEC, Allan. O Evangelho Segundo o Espiritismo cap. V, item 9.

[3] (João 9:6)

[4] KARDEC, Allan. A Gênese, os Milagres e as Predições Segundo o Espiritismo cap. XV, item 25.    

Esse post foi publicado em Reencarnação na Bíblia e marcado , . Guardar link permanente.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s